sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Simulação

Para simularmos a acção erosiva e de transporte de um curso de água, realizámos uma pequena experiência:

Material

- "Caleira" de plástico;

- Detritos de diferentes dimensões: calhaus rolados, areias;

- Regador;

- Tina de vidro.


Modo de proceder

1) Coloque a caleira de modo que a parte superior fique mais inclinada e a parte inferior quase horizontal;
2) No topo inferior da caleira, coloque a tina para receber a água e detritos que vão escorrer;
3) Na parte superior da caleira, coloque os detritos com diferentes dimensões misturados;
4) Deite água sobre os detritos com um regador e vá observando o que acontece.

Utilizámos, também, uma esponja, com a finalidade de compreender o funcionamento de uma barragem:

O principal processo de fornecimento de materiais para o litoral encontra-se associado aos rios. De facto, uma grande quantidade dos sedimentos que se deposita no litoral é de origem fluvial. No entanto, a construção de grandes barragens para fins turísticos, hidroeléctricos e agrícolas induz a diminuição drástica do fluxo de partículas sedimentares para o litoral. As barragens servem de barreiras artificiais ao trânsito de sedimentos, com uma consequente acumulação a montante e uma deficiente acumulação a jusante.

Por vezes, e em resultado desta acumulação artificial de sedimentos em determinados troços de um rio, é possível observar uma actividade económica geradora de alguma controvérsia: a extracção de areias do leito de um rio.

As barragens provocam a retenção da água, formando uma albufeira, o que não só regulariza o caudal a jusante da barragem como também a água acumulada pode ter outras utilizações. Pode ser usada para abastecimento das populações, na irrigação de terrenos agrícolas e pode ter aproveitamento hidroeléctrico. Quando ocorre uma precipitação fora do normal, o excesso de água fica armazenado na albufeira, evitando, assim, inundações a jusante.

Apesar dos benefícios das barragens, elas acarretam também alguns incovenientes. Ao longo do tempo vão-se depositando no fundo materiais transportados pelo rio, o que vai diminuindo a capacidade de armazenamento de água e reduz a quantidade de detritos debitada no mar. Por outro lado, as barragens, como qualquer outra obra de engenharia, têm um determinado período de vida útil; no final, colocam-se problemas de segurança. Além disso, as barragens têm um impacto negativo nos ecossistemas aquáticos e terrestres da zona.

Questões e conclusões

1) Qual a posição dos materiais de diferentes dimensões no fim da experiência?
2) Alguns materiais foram transportados com a água até à tina. Quais?




No início da experiência, ao deitar-se água nos detritos rochosos, observou-se que as poeiras, mais finas e leves, foram as primeiras a ser transportadas pela água ao longo da calha até à tina de vidro, onde se depositaram, constituindo assim várias camadas de sedimentos de diferentes tamanhos, estrutura e composição mineralógica; por outro lado, os fragmentos de maior tamanho ficaram retidos na esponja, tal como acontece numa barragem, que serve de barreira artificial à passagem de sedimentos, onde há uma acumulação a montante e uma deficiente acumulação a jusante. De seguida, a esponja foi retirada, pelo que os fragmentos rochosos de maior tamanho foram-se depositando na tina, constituindo assim várias camadas de estratos. No final, obteve-se um conjunto de camadas estratificadas bem definidas através das quais se observava que os fragmentos se tinham depositado por ordem decrescente de tamanho, isto é, dos maiores para os mais pequenos.


Um agradecimento especial à Senhora Professora Sandra e à Dona Milú pela ajuda que nos deram na experiência!

Fontes: D. Guerner, G. Paula, R. Paulo, Geologia 11, Areal Editores, Perafita, 2004 e S. Amparo, G. Fernanda, S. Maria, M. Almira, B. Ludovina e F. José, Terra, Universo de Vida, Porto Editora, Porto, 2007

12 comentários:

e disse...

Hi
You have a great blog!
Let me invite you to:
eBambi
Present yourself
and meet your friends.
Join now:
http://www.ebambi.com

Melina disse...

Sim senhora, isto da experiência é uma excelente ideia!

^^ e a minha capa azul tambem ajudou ahaha ;)

parabens meninos :)

Anónimo disse...

Bem ... fantásticas descrição dos procedimentos. Clara, simples e ... eficaz.
Percebo que continuam com a mesma garra de há uns anitos atrás ...Excelente trabalho. Keep on working!

APC

Arminda Sousa disse...

Muito bem. Aprendizagem, conhecimento e partilha... e todos os "ingredientes" que vocês adicionaram neste projecto, que tão eficazmente abraçaram, só podem originar "excelentes cozinhados" ou melhor óptimas experiências (entenda-se...)
Continuação de bom trabalho.
A.S.

Anónimo disse...

Se o vosso grupo não fizesse coisas diferentes, eu até me admirava xD

está original :D

Sandra A2

RN disse...

Palavras para quê?

Excelente, continuem...

Sandrina 11ºA disse...

A vossa experiência está fantásTica e bem explicita!
Gostei!!!
Bom trabalho :)

Márcio Santos disse...

Bem... Quando há empenho, os resultados são normalmente bastante recompensadores. Tenho, antes de mais, que vos dar os meus parabéns pela garra com que estão a abraçar este projecto. Como já foi dito, o explicação dos processos experimentais estão bastante claros e sucintos, com um agradável acompanhamento de imagens que complementam a informação, para o leitor do blogue.

Se me permitem uma opinião muito pessoal, é precisamente neste sentido que o ensino secundário poderá caminhar dentro em breve.

Até já

SG disse...

Com materiais simples e MUITA FORÇA DE VONTADE conseguem-se demonstrar processos e fenómenos geológicos em laboratório.
Estou a gostar muito do vosso trabalho. Continuem! ;)
A professora, Sandra Garcia

Anónimo disse...

A experiência é muito à frente...

A parte melhor é a da esponja, se todas as barragens fossem assim o mundo estaria bem melhor, lol :D

...Mas ok, é uma boa maneira de n fazermos nada nas aulas!!!!

Bom trabalho, tiveram um trabalhão p fazer isto

Pessoal da ESOH

Anónimo disse...

Aos alunos do grupo os meus sinceros parabéns pelo trabalho desenvolvido.
Como vêem o pessoal da ESOH estão roidinhos de inveja por não estarem envolvidos em projectos deste género.
Continuem... e não liguem a provocações.
Aguardamos pelas vossas iniciativas que tanto nos agradam.
A.S.

Anónimo disse...

Não se esqueçam que podem apagar todos os comentários que em nada contribuam para enriquecer o vosso conhecimento.
A.S.